segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Acidente hoje na Avenida Getulio Vargas: pai e filho, como dois inimigos.

Hoje, dia 5 de outubro, por volta do meio-dia uma caminhonete Mitsubishi, último modelo, entrou em alta velocidade em um poste na Avenida Getulio Vargas; ao descer a rua Maurício Caillet, o jovem não conseguiu fazer a curva e quase destruiu um poste de concreto, cortando a iluminação das quadras próximas. O air-bag do passageiro funcionou, mas não o do motorista. De qualquer forma, ele usava cinto de segurança e não se feriu.
Minutos depois chegou o pai do jovem em outra caminhonete importada, super nova, e devia ser autoridade porque entrou com o carro na calçada e não se intimidou com os policias militares que chegaram para atender a ocorrência.
Ao ver o estrago no carro, o pai partiu para cima do filho, agredindo-o com socos e pontapés. Gritava: “Cadê sua namoradinha para te ajudar agora, e assumir o prejuízo? Agora a namoradinha se foi, otário!”. E tome tapas e socos no rosto do jovem, que não reagia e apenas chorava.
O policial afastou o pai do filho algumas vezes, mas depois desistiu. Ao entrar no carro semi-destruído, o pai gritava: “Que pena que você não morreu!”.
Alguns minutos depois chegou um caminhão dos bombeiros e uma ambulância do Siate. Enquanto os paramédicos examinavam o jovem, o pai gritava: “Esperem mais um pouco que vocês vão salvar a vida desse animal. Depois que eu pegar ele vocês podem salvar a vida dele!” E a todo o momento o pai empurrava o jovem para sua caminhonete, mas o jovem se recusava a entrar porque sabia que seria violentamente espancado dentro do veículo com vidros fumê nas janelas blindadas.
As pessoas se aglomeravam na calçada para ver o triste espetáculo. Um dos transeuntes, operário, disse: “Se fossem pobres, estariam pai e filho algemados levando porrada no camburão!”.
A Copel levou mais de 6 horas para restabelecer a luz. Imaginem o prejuízo de diversas empresas, escritórios, consultórios, que ficaram sem energia elétrica durante toda a tarde de uma segunda-feira.
Pobre pai. Pobre filho. A riqueza de seus bens materiais não escondia a pobreza de seus bens espirituais. E pensando bem, não é de se admirar de ver tantos jovens viciados em drogas na alta sociedade.
“Ninguém pode servir a dois patrões, porque odiará a um e amará ao outro, ou se afeiçoará ao primeiro e desprezará o segundo. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro”. Mateus 6,19 - 7,11

José Gil, presidente do Conselho de Segurança do bairro Água Verde

Nenhum comentário:

Postar um comentário