domingo, 20 de junho de 2010

A história da família Bonilauri


O sobrenome BONILAURI aportou aqui no Brasil no século XIX, aí por volta de 1890 trazido por um jovem italiano de nome Guerino que, encantado com as notícias da América, veio em busca de uma vida nova, junto a milhares de outros compatriotas, fugindo da miséria, da angústia do desemprego e da falta de horizontes que seu pais apresentava.
Era mais um imigrante que aqui chegava e a maioria fixava-se nas fazendas de café de São Paulo. O governo brasileiro oferecia, embora precariamente, possibilidades de posses de terras também no sul do país. Assim, o jovem Guerino veio parar nos arredores de Curitiba, mais precisamente nos amplos campos e bosques de pinheirais de Tranqueira, hoje Tamandaré, onde – junto a outras famílias - começou a labutar na agricultura de sobrevivência.
Porém, descendente de exímios carpinteiros, o cultivo da terra lhe era penoso e adverso. Ciente de suas habilidades começou a trabalhar na profissão, atendendo as necessidades dos vizinhos na construção de casas, móveis e utensílios de madeira. Como bom carpinteiro artesão melhorou rapidamente de vida.
Alguns anos depois conheceu uma brasileira de nome Rosa, descendente de índios, moradora nos arredores de Tranqueira e logo se casou. Com condições melhores veio morar em Curitiba, onde adquiriu um terreno no distante bairro do Novo México, onde residiam já alguns italianos, alemães e poloneses, todos imigrantes. O terreno amplo situava-se na Rua 5 de Maio, e ali construiu sua casa de madeira, com tábuas largas de pinho e vedadas com sarrafos, bem no estilo italiano, com varanda, beirais, jardim bem cuidado e quintal com árvores frutíferas, galinheiro, sua oficina e o indispensável caramanchão com uvas brancas , pretas e rosadas, tudo sempre bem pintado de branco.
Com o passar do tempo o bairro do Novo México transformou-se em Água Verde e a rua foi rebatizada com o nome de Brasílio Itiberê.
Guerino e Rosa tiveram oito filhos, harmoniosamente distribuídos em, quatro mulheres, Dolores, Carmela, Lilá e Araci e quatro homens, Ângelo, Francisco, Izidoro e Antônio.
Do meu lado, o Izidoro, meu pai, casou com a Rozalina e surgiram, Laertes, Newton, Diniz e Eulita.
Concluindo: a Família Bonilauri está presente e instalada na Água Verde desde 1895. Pessoalmente resido no bairro desde 1933.

Diniz Bonilauri

Nenhum comentário:

Postar um comentário