sábado, 14 de janeiro de 2012

Músicos mexicanos são perseguidos nos EUA

Um dos principais grupos musicais do México, Los Tigres Del Norte, está sofrendo perseguição ao se apresentar nos Estados Unidos da América. A perseguição começou no governo George W. Bush, foi mantida por Barack Hussein Obama, e atualmente até os CDs produzidos no México estão proibidos de serem vendidos nos EUA. Os problemas são causados pelas polícias e autoridades da imigração. Apesar disso, as apresentações são realizadas em diversos estados para imigrantes latino-americanos, principalmente mexicanos, lotando estádios e ginásios.
O grupo toca corridos e cúmbias, na maioria composições próprias, e aborda temas polêmicos: drogas, perseguição aos imigrantes clandestinos nos EUA, corrupção policial, lendas e estórias de confrontos armados etc.
Apesar desse perfil, Los Tigres Del Norte é considerado o grupo regional mais influente do continente, segundo o Billboard e o jornal New York Times. Eles continuam sendo a principal voz dos injustiçados mexicanos nos Estados Unidos, vendendo milhões de álbuns e liderando as paradas musicais no México e Miami, e ganhando os principais prêmios da música: Grammy e Grammy Latino.
Para proibir os músicos de se apresentarem nos EUA e tentar barrar a venda de seus CDs, o governo norte-americano afirma que Los Tigres Del Norte fazem apologia à droga. Diversos chefes do tráfico na Colômbia, México e Peru disseram ser fãs incondicionais dos Tigres Del Norte. Motivos: 1 - as músicas falam da corrupção da agência norte-americana de combate ao tráfico de drogas, DEA, e das polícias do México e Colômbia; 2 – as canções afirmam que o culpado pelo tráfico de drogas é o povo norte-americano que consome drogas: “não havendo consumo, não haveria tráfico”, afirmam; 3 – algumas músicas denunciam a corrupção dos políticos colombianos e mexicanos, na maioria financiada pelo narcotráfico; 4 – algumas letras tratam da corrupção do governo mexicano, incluindo a venda do petróleo a preços ridículos para empresas norte-americanas; 5 - as músicas afirmam que os EUA não tem o direito de barrar os imigrantes mexicanos porque o país invadiu e roubou do México os atuais Estados do Texas, Novo México, Arizona, Colorado, Califórnia, Nevada, Wyoming e Utah.
Na canção “Somos mais americanos”, eles afirmam que os norte-americanos não são americanos, “são anglo-saxões, europeus, ingleses, enquanto que qualquer mexicano ou latino-americano é mais americano que todos os gringos”.
Uma das canções mais polêmicas do grupo é sobre a morte do Pablo Escobar, o mais polêmico chefão do tráfico na Colômbia. A música sobre a morte de Escobar fala do apoio que ele dava às comunidades pobres e da comoção social em torno da sua morte, quando – apesar da repressão policial – mais de 100 mil pessoas compareceram ao sepultamento.
Na música “Noivas dos Traficantes” eles alertam que são “aquelas que te deixam louco, e não são boas amantes; nunca demonstram ter alma e podem até matar”. E quando morre ou é preso algum traficante, a música lembra que “as noivas não se preocupam, sabem que isso vai acontecer, porque quem brinca com fogo, com fogo vai se queimar”.
Grande parte das canções do grupo fala da luta entre traficantes e policiais – tema que interessa a grande parte da juventude mexicana, principalmente nas cidades de fronteira. Outras tratam da solidão e revolta dos mexicanos humilhados nos EUA por serem imigrantes legais ou ilegais.
O porta-voz dos Tigres Del Norte declarou anos atrás que o grupo não faz apologia do consumo das drogas, pelo contrário, mostra as desgraças e tragédias que atingem consumidores e traficantes, mas que nem por isso é hipócrita a ponto de calar sobre a corrupção policial e governamental em todos os países onde existe o narcotráfico. O grupo questiona que somente os pequenos traficantes são punidos, enquanto aqueles que financiam o narcotráfico ficam impunes.
As músicas dos Tigres Del Norte podem ser baixadas pela internet ou no site oficial www.lostigresdelnorte.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário