quinta-feira, 31 de maio de 2012

A mídia golpista tenta esconder a tentativa de golpe civil no Brasil

O escândalo Cachoeira é muito mais que um simples bate-boca entre autoridades (algumas suspeitas) e veículos de comunicação muito mais suspeitos: é a ponta do iceberg que revela tentativa de golpe civil no Brasil.
O chamado escândalo do “mensalão”, que abalou o governo do PT é considerado uma tentativa de golpe civil das elites no Brasil, insatisfeitas com a vitória de Lula.
Tudo começou quando um araponga do extinto Doi-Codi, Jairo Martins de Souza, gravou a corrupção nos Correios para que o deputado Roberto Jefferson (PDT-RJ) detonasse o governo do PT. O espião brasileiro foi regiamente pago pelo contraventor Carlos Cachoeira, que também pagou por serviços de espionagem no Hotel Naoum em Brasília para incriminar o ex-ministro José Dirceu. Pelo trabalho sujo, o araponga recebeu de Cachoeira como pagamento duas caminhonetes blindadas (uma para Jairo e outra para a esposa), e mais a extorsão de 1 milhão de reais que Jefferson pagou e não piou. As gravações no Denit também foram financiadas por Cachoeira.
Após as revelações das cenas nos Correios, o governo quase veio à baixo. A grande imprensa publicava em horário nobre longas horas de exaustivas denúncias sobre a corrupção no governo. Dessa forma o grupo de políticos ladrões ligados à quadrilha de Cachoeira festejavam o papel covarde e criminoso da grande imprensa.
A união entre veículos de comunicação e crime organizado nunca foi novidade no país, mas desta vez extrapolou todos os limites do bom senso, levando a nação a um quase golpe civil, ou uma quase guerra civil, porque o povo brasileiro não aceitaria de braços cruzados a reedição de 64, desta vez nas mãos de civis.
Na Venezuela o golpe civil fracassou porque militares leais a Hugo Chávez fizeram valer a verdade na força das arma. Mas deu certo no Paraguai, onde o presidente Raul Cubas foi derrubado em tentativa semelhante. No Brasil o golpe civil não avançou porque Lula tem prestígio e apoio concreto entre as camadas mais pobres da população.
O circo midiático que estamos assistindo revela que alguns veículos de comunicação são mercenários, e contam com a cumplicidade de autoridade nos Três Poderes. Procuram a todo custo confundir a opinião pública para desviar a atenção do foco principal das investigações: o domínio do governo de Goiás pelo crime organizado. O crime organizado pautando os principais veículos de comunicação do país.
Na Inglaterra, um dos principais jornais que fez 10% do que fazem no Brasil foi fechado e seus diretores respondem a processos que estão levando alguns à prisão. No Brasil a mídia mercenária e traidora dos interesses nacionais continua alimentando um circo de mentiras e besteiras.
A denúncia bombástica do ministro Gilmar Mendes que concedeu dois habeas corpus ao banqueiro bandido (segundo o deputado Protógenes Queiroz) de encontro com o ex-presidente Lula para impedir o chamado mensalão é suspeita, extremamente suspeita por que veio a público um mês após o aludido encontro, cujo teor foi negado pelo ex-ministro Nelson Jobin. Suspeito porque está servindo para desviar a atenção de Carlos Cachoeira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário