quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Produtos transgênicos ameaçam a humanidade

Investigação conjunta realizada por cientistas da Associação Nacional de Segurança de Genes (Rússia) e do Instituto de Problemas de Ecologia e Evolução descobriu que hamsters alimentados com soja transgênica (GM) não pode reproduzir depois de três gerações.
“Nós trabalhamos com quatro grupos de hamsters: um grupo alimentado com soja transgênica e outro alimentado com soja não-transgênica, um terceiro e quarto grupo com maior quantidade de soja transgênica", disse o biólogo Alexei Surov. Depois de alimentar os hamsters por dois anos, a terceira geração apresentou resultados devastadores. Foram encontrados problemas perigosos naqueles que ingeriram apenas soja transgênica e, particularmente naqueles com dietas mais altas de transgênicos. Constatou-se também um crescimento mais lento e uma alta taxa de mortalidade entre os seus descendentes. Em outro estudo similar na Rússia, os pesquisadores descobriram um crescimento retardado em animais, mortalidade alta entre os jovens, e até mesmo o crescimento de pelos no interior da boca dos hamsters. Cientistas da França, Áustria, EUA e Índia também realizaram experimentos com ratos, porcos e vacas, e também confirmaram o perigo real ou potencial dos produtos geneticamente modificados na saúde humana, animais, plantas e, especialmente, no meio ambiente.

"Frankenstenianos experimentos"
As corporações transnacionais da indústria GM Monsanto, Dow Agroscience, Pioneer, Syngenta, entre outros, promovem o consumo de alimentos geneticamente modificados e ignoram constantemente as pesquisas de especialistas que se opõem à liberação de organismos geneticamente modificados (OGM). Especialistas dizem sobre o assunto que as transnacionais iludem os consumidores de sementes geneticamente modificadas, sem saber como eles afetam a saúde, porque o único objetivo das empresas do setor é o lucro.
"A ganância de um grupo de poder mundial está levando ao caos da saúde", diz o professor de biotecnologia Alejandro Romero.
Especialistas pediram esses experimentos com milho transgênico ou outros produtos GM (transgênicos)"sementes Frankenstein", enquanto aquelas destinadas ao consumo humano ou animal são consideradas "experiências frankenstenianas."
"Milhões morrem a cada ano sem saber se é devido aos pesticidas, sementes modificadas ou alimentos fabricados a partir de sementes geneticamente modificadas ou impregnados com venenos que matam ou causam esterilização humana", disse Romero.
Nos últimos anos aumentou muito o número de pessoas inférteis, que recorrem a tratamentos para conseguir gerar filhos, mas a mídia e os governos não revelam que por trás desse problema está a ação nefasta dos produtos geneticamente modificados, consumidos pela população sem nenhum tipo de alerta.

Fonte: RT

Nenhum comentário:

Postar um comentário