segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Filme contra o islamismo foi produzido pelos governos dos EUA e Israel


Não há mais nenhuma dúvida de que o filme medíocre “A inocência dos Muçulmanos” dirigido por Sam Bacile, agente do Mossad, contou com apoio e patrocínio dos governos dos EUA e Israel, com a supervisão do cineasta e filósofo francês sionista Bernard Henri Levy.
O filme é uma estratégia da CIA e do Mossad para insuflar manifestações em todos os países muçulmanos, fomentar atentados terroristas e culpar o Irã, para que Israel desfeche um ataque aéreo contra a República Islâmica, levando os Estados Unidos da América a se envolver na guerra pela conquista de setores estratégicos naquela região.
O escritor, cineasta e filósofo francês judeu-sionista Bernard Henri Levy apresentou em Cannes no ano passado o documentário sobre a guerra na Líbia “O Juramento de Tobruk”, para tentar justificar perante a opinião pública mundial a guerra de ocupação da Líbia por potências ocidentais.
Bernard Henri Levy atuava como assessor no governo de Nicolas Sarkozy, defendendo políticas pró-Israel e atacando pela imprensa os povos árabes, especialmente os muçulmanos. Hoje ele trabalha defendendo os mercenários e traidores sírios que tentam derrubar o governo de Bashar Al Assad, ocupando espaço com entrevistas mentirosas e artigos pusilânimes publicados na imprensa ocidental.


A foto ao lado é pequena, mas as três pessoas nela são, da esquerda para a direita: Chris Stevens (embaixador norte-americano morto em Benghazi), Sam Bacile, diretor do filme contra Maomé e Bernard Henri Levy. A fotografia documenta a reunião entre eles para decidir sobre a produção do filme que promove guerra religiosa, para favorecer a indústria bélica norte-americana e os projetos expansionistas de Israel e Estados Unidos, às custas do derramamento de sangue de milhares de inocentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário