quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Para entender a guerra em São Paulo, desligue a TV e não leia jornais e revistas



Um camaradinha nosso preparou uma lista de filmes ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIOS para quem queira conhecer e entender a guerra que se vê hoje nas ruas em São Paulo, e que prossegue, à bala, entre o chamado "crime organizado" e a chamada "banda suja da Polícia".
Nosso camaradinha trabalha sobre a hipótese explicativa segundo a qual, diz ele:
-- O que vemos hoje em São Paulo é luta entre dois bandos de bandidagem ABSOLUTAMENTE EQUIVALENTES -- de fato, os dois bandos em luta hoje são como imagem especular um do outro: de um lado, está a banda MAIS podre da Polícia (abrigada hoje dentro de governo da tucanaria paulista); de outro lado, estão alguns grupos marginais que se organizaram à imagem e semelhança da Polícia.
-- A luta que se vê nas ruas das periferias das grandes cidades, luta na qual hoje morrem bandidos e não bandidos DOS DOIS LADOS em luta, começou dias 6-7 de agosto de 2005, quando aconteceu o assalto ao Banco Central em Fortaleza, e assalto para o qual nenhuma banda podre da Polícia FOI CONVIDADA.

Ante o sucesso do assalto e para forçar a partilha do fruto daquele grande assalto, a banda MAIS podre da Polícia começou a sequestrar e matar elementos dos grupos envolvidos no assalto. Em resposta, os assaltantes tiveram de começar a resistir e revidar, porque a banda MAIS podre da Polícia passou a sequestrar, torturar e matar parentes e membros da família dos envolvidos naquele assalto.
É perda de tempo ler jornais e/ou acompanhar o 'noticiário' da chamada 'mídia' paulista, se interessar conhecer e entender esse processo.


O jornalismo que há hoje ativo no Brasil-2012 nada tem de jornalismo de investigação e é o pior jornalismo-empresa do MUNDO.
O jornalismo que há no Brasil-2012 absolutamente não tem qualidade técnica nem tem desejo político de dar conta e informar corretamente os detalhes complexíssimos dessas relações que são, todas, abissalmente complexas.
No Brasil, país das "ideias fora de lugar" e onde o jornalismo jamais foi sequer "liberal" -- e sempre foi empresa & empresários & empregados muito ativamente udenistas golpistas & fascistizantes --, segundo a hipótese sob a qual nosso camaradinha insiste em pensar,só a ficção consegue dar conta satisfatória dos fatos, nesse caso, como em muitos outros, para começar a explicá-los.

Assim sendo, para entender o que está acontecendo em SP entre Estado e Polícia, desligue a TV, não leia jornais e assista aos seguintes filmes:

Sobre corrupção na Polícia e o amancebamento entre o crime organizado e as empresas-mídia (em todo o mundo do capital e sempre)
Los Angeles, Cidade Proibida (L.A. Confidential, 1997, dir. Curtis Hanson)

Sobre o PCC
Salve Geral (2009, dir. Sergio Rezende)
Assalto ao Banco Central (2011, dir. Marcos Paulo)

Sobre o Comando Vermelho
Notícias de uma guerra particular (1999, dirs. Kátia Lund e João Moreira Salles)
Quase dois irmãos (2004, dir. Lucia Murat)
400 contra 1 (2010, dir. Caco Souza)

Autores: Coletivo Vila Vudu – São Paulo



quarta-feira, 28 de novembro de 2012

José Dirceu: "O irresponsável envolvimento de meu nome em escândalos"



Por várias vezes em anos recentes, a imprensa vinculou-me a escândalos que, depois de concluídas as investigações, denunciados os responsáveis e finalizados os inquéritos, comprovou-se que eu nada tinha a ver com tais episódios. Meu nome nem sequer figurou como testemunha nestes processos.

Foi assim pelo menos seis vezes: nos casos Celso Daniel; MSI-Corinthians; Eletronet; Operação Satiagraha; Carlos Alberto Bejani, ex-prefeito de Juiz de Fora (MG), do PTB; e Alberto Mourão, ex-prefeito de Praia Grande (SP), do PSDB.

Em alguns desses casos – como Bejani, Eletronet e Satiagraha –, meu nome foi parar no noticiário das TVs. Repito: encerradas as investigações, denunciados os responsáveis e finalizados os inquéritos, comprovou-se que eu nunca tive ligações com nada disso.

Agora, a história se repete.

A partir de declarações de Cyonil Borges, ex-auditor do TCU sob investigação da Polícia Federal na Operação Porto Seguro, que apura denúncias relacionadas a Paulo Vieira (ex-diretor da Agência Nacional de Águas-ANA), de novo sou envolvido. Gratuitamente. Irresponsavelmente, como das outras vezes. As investigações ainda estão em curso e meu nome já é escandalosamente noticiado como relacionado ao caso.

Não custa recordar que Francisco Daniel, irmão do ex-prefeito assassinado de Santo André, Celso Daniel, fez o mesmo: acusou-me de beneficiário de esquema de corrupção que teria havido em Santo André. Quando o processei por calúnia, ele afirmou em juízo que ouvira de terceiros que eu era o destinatário de recursos financeiros ilegais para campanhas eleitorais do PT.

Francisco Daniel retratou-se, de forma cabal e indiscutível na Justiça. Mas isso praticamente não foi noticiado pela imprensa. E continua sem ser noticiado quando a mídia com frequência volta ao caso Celso Daniel. Ela repete a acusação que me foi feita por Francisco, sem registrar – ou fazendo-o sem o menor destaque – que ele se retratou.

Assim foi em todos os demais casos que lembrei. Envolvem meu nome no noticiário com o maior estardalhaço, mas encerrados a "temporada" e o sucesso midiático do escândalo, silenciam quanto ao fato de nada ter se provado contra mim – pelo contrário, as investigações terem concluído que eu não tive o menor envolvimento com o caso em pauta.


São Paulo, 28/11/2012


José Dirceu

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Pessuti sai em campanha para presidência do PMDB



Além do senador Roberto Requião, o ex-governador Orlando Pessuti também está percorrendo o Estado em campanha pela presidência do diretório estadual do PMDB. Ao lado do senador e pupilo Sérgio Souza, Pessuti esteve na quinta-feira em Maringá e na sexta-feira em Campo Mourão e Londrina. Antes disso passou por Ivaiporã, Jardim Alegre, Lunardelli e São João do Ivaí em busca de apoio.
As reuniões tem o objetivo de reunir delegados do partido, prefeitos, vereadores, ex-prefeitos, ex-vereadores e militantes que vão participar da convenção no próximo dia 15 de dezembro.
“É um trabalho de conversação, de diálogo e apresentação de nossas propostas com vistas a nossa candidatura a presidência do PMDB”, segundo Pessuti. Além de Souza, apoiam o ex-governador o deputado Federal Osmar Serraglio, o ex-deputado Rocha Loures e o deputado estadual Reinhold Stephanes Junior. “A idéia é que Orlando Pessuti seja o nosso candidato a presidente do PMDB para que nós possamos capilarizar em todas as regiões o PMDB transformando realmente naquilo que ele sempre foi, um partido pujante que lança candidatos a prefeitos, vereadores, deputados estaduais, federais, senador e governador” informou o senador.
Souza explicou que o objetivo “é montar uma chapa indicando o ex-governador Orlando Pessuti como candidato a presidente e formar o diretório estadual do PMDB e escolher delegados para a convenção nacional”. Para isso, porém, ele terá que enfrentar Requião. Pessuti pode ainda fechar um acordo com os deputados estaduais, que também estão formando uma chapa.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Concorra a um curso de motorista de carro ou moto


Cartel dos postos de combustíveis de Curitiba é o mais lucrativo do país



“Segundo relatório da ANP, em quatro semanas o ganho médio com a gasolina subiu de R$ 0,21 para R$ 0,55 por litro


Os postos de Curitiba têm o maior lucro do país na venda de gasolina. A margem média dos estabelecimentos, que há apenas quatro semanas era a segunda menor entre as 27 capitais, tornou-se a mais alta na semana passada, revelou ontem uma pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
Entre os dias 11 e 17 de novembro, a gasolina estava sendo vendida nas bombas por um preço médio de R$ 2,85 o litro, 55 centavos acima do valor pago pelos postos às distribuidoras (R$ 2,30). Com isso, o lucro embutido no preço ao consumidor foi de 19,3%, em média – bem acima da margem média de todas as capitais, de 13,8%. Esses porcentuais não incluem receitas dos postos com outros produtos e serviços, nem gastos com pessoal, aluguel e outros.”.
As informações acima são da Gazeta do Povo de hoje. Entretanto, o que não se discute na mídia – por que será? – é o atentado sofrido por um posto de combustível que se recusou a participar do cartel que elevou os preços em Curitiba. O posto foi alvejado por disparos de arma de fogo.
Para a população de Curitiba fica a seguinte dúvida: haveria uma quadrilha de bandidos controlando alguns postos e impondo os valores exorbitantes aos demais? Caso a resposta seja afirmativa, deve ter alguém ganhando – e muito – para não enquadrar os quadrilheiros.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Abuso de drogas caiu pela metade em país que adotou descriminalização



Dez anos após descriminalização, abuso de drogas caiu pela metade em Portugal. Nada disso é possível quando se está numa guerra
Os guerreiros da guerra às drogas muitas vezes afirmam que a legalização ou descriminalização das drogas nos Estados Unidos aumentaria o consumo vertiginosamente. Felizmente, temos um exemplo real dos verdadeiros efeitos de acabar com a violência, a caríssima Guerra às drogas e substitui-la por um sistema de tratamento para usuários.
Dez anos atrás, Portugal descriminalizou todas as drogas. Uma década após esta experiência sem precedentes, o abuso de drogas caiu pela metade:
Especialistas da área da saúde em Portugal disseram nesta sexta-feira que a decisão de Portugal há 10 anos para descriminalizar o uso de drogas e tratar os viciados em vez de puni-los é uma experiência que deu certo.
“Não há dúvida de que o fenômeno da dependência está em declínio em Portugal”, disse João Goulão, Presidente do Instituto da Droga e da Toxicodependência, numa conferência de imprensa para marcar o 10º aniversário da nova lei de drogas.
O número de viciados considerados “problemáticos” – aqueles que repetidamente usam drogas “pesadas” e usuários de intravenosas – tinham caído pela metade desde o início dos anos 90, quando o valor era estimado em cerca de 100.000 pessoas, disse Goulão.
Outros fatores também tiveram parte nesse avanço, Goulão, médico acrescentou.
“Este desenvolvimento não pode ser apenas atribuído a descriminalização, mas a uma confluência tratamento e políticas de redução de danos.”
Muitos desses procedimentos de tratamento inovador não teriam emergido se viciados continuassem a ser presos e criminalizados em vez de tratados por médicos especialistas e psicólogos. Atualmente 40 mil pessoas em Portugal estão sendo tratadas por abuso de drogas. Esta é uma maneira muito mais barata e muito mais humana para enfrentar esse problema. Ao invés de trancar 100.000 criminosos, os Portugueses estão trabalhando para curar 40.000 pacientes e afinar uma abordagem totalmente nova de conhecimento de tratamento ao mesmo tempo.
Nada disso é possível quando se está numa guerra.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

O que justifica apreender o passaporte? Por José Dirceu


A decisão do relator Joaquim Barbosa de apreender os passaportes dos réus da Ação Penal 470 é puro populismo jurídico e uma séria violação aos direitos dos réus ainda não condenados, uma vez que o julgamento não acabou e a sentença não transitou em julgado. Cabem recursos mesmo após a publicação do acórdão. Mostra-se também exagerada porque todos os réus estão presentes por meio de seus advogados legalmente constituídos e em nenhum momento obstruíram ou deixaram de atender as exigências legais.

Mas o mais grave são os argumentos para tal decisão, alegando que os réus adotaram comportamento incompatível e desrespeitoso com o Supremo. O ministro sustenta o pedido de recolhimento dos passaportes porque dois réus - antes de serem condenados - viajaram para o exterior e voltaram normalmente. Afirmou ainda em seu despacho que alguns réus “deram a impressão de serem pessoas fora do alcance da lei” com atitudes que afrontariam o Supremo Tribunal Federal.

Ou seja, os argumentos cerceiam a liberdade de expressão e são uma tentativa de constranger e censurar, como se os réus não pudessem se defender e, mesmo condenados, continuarem a luta pela revisão de suas sentenças.

É importante ressaltar que eu nunca me manifestei sobre o mérito dos votos dos ministros ou sobre a legitimidade e o respeito à corte. Sempre respeitei as decisões do Supremo Tribunal Federal, uma vez que lutei pela nossa democracia, mesmo com risco à minha própria vida.

Nada vai me impedir de me defender em todos os foros jurídicos e instituições políticas. Mesmo condenado e apenado, não abro mão de meus direitos e garantias individuais - do direito de me expressar e contraditar o julgamento e minha condenação.

Nenhum ministro encarna o Poder Judiciário - não estamos no absolutismo real. Nenhum ministro encarna a nação ou o povo - não estamos numa ditadura. Mesmo acatando a decisão, tenho o direito de me expressar diante de uma tentativa de intimidar os réus, cercear o direito de defesa e expor os demais ministros ao clamor popular instigado, via holofotes de certa mídia, nestes quase quatro meses de julgamento.

José Dirceu Oliveira e Silva


Segue nota do meu advogado de defesa:

Decisões judiciais devem ser respeitadas e cumpridas, mas isso não quer dizer que não podem ser contestadas, quer pelo acusado, quer pela defesa técnica. Criticar uma decisão, não significa desrespeitar o Poder Judiciário. Vivemos em um país livre, numa democracia, onde a liberdade de expressão é a regra e faz parte do Estado Democrático de Direito. O passaporte do meu cliente será entregue hoje.

José Luis Oliveira Lima

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

A imprensa, o Atlético e a Copa



O tal do Airton Cordeiro publicou um manifesto na Gazeta do Povo afirmando que existe “um informativo que saiu dos intestinos do Atlético”, e ainda acusou o ilustre informativo de apócrifo.
O Informativo da Mobilização Atleticana já está na segunda edição, e fazendo sucesso.

O que dizer de uma imprensa que não tem o compromisso com a ética profissional, uma imprensa que não trabalha para defender a verdade dos fatos e não informa os benefícios para a sociedade? A Copa do Mundo contemplará diversos benefícios para o povo brasileiro, no Paraná, a Copa do Mundo só virá graças a existência de um estádio chamado Joaquim Américo, todos sabem, graças a gestão profissional do Clube Atlético Paranaense, que concentrou esforços para realizar a primeira grande obra de um estádio de futebol no Brasil, a Arena da Baixada, sementes plantadas há mais de 10 anos, e que agora o povo paranaense e o povo Curitibano irá colher os frutos de uma forma mais abrangente, por isso é de fundamental importância a parceria entre os governos municipal, estadual e federal com a iniciativa privada. A Copa é para o país, é para a sociedade e não para um clube apenas, e sim, para um enumerado de melhorias coletivas urbanas, mas vale ressaltar uma coisa: para esta imprensa antiética que gosta de perseguir o Clube Atlético Paranaense, o estádio do Atlético Paranaense por ser o estádio mais completo e por ter sido concluído com dinheiro próprio do clube, através da sua gestão profissional, revelando jogadores para o Mundo e com apoio da torcida, com estes recursos financeiros, o Atlético deu passos na frente dos principais clubes do Brasil e com isso a Arena da Baixada é o estádio que menos vai receber recursos públicos para concluir a meta visando a Copa do Mundo de 2014 porque menos precisa também, os demais estádios do país que estão se adequando para a Copa do Mundo, todos irão receber muito mais recursos públicos pois estão muito mais atrasados do que o Atlético dos Paranaenses.
E os benefícios, o setor turístico gera renda para o país, gera empregos, o lazer é um direito constitucional, o futebol é uma arte e uma paixão do povo brasileiro, o Brasil é o país do futebol, Curitiba será uma das cidades sede da Copa graças a organização dos Atleticanos e a estrutura montada e construída nos últimos anos que consolida o rubro-negro neste patamar. Os vizinhos verdes e os tricolores não adiantam querer torcer contra, é melhor entrar na onda e abraçar o movimento Copa 2014, porque os jogos serão no estádio mais moderno do Brasil. Os benefícios são muitos para o povo apaixonado por futebol.
Esta imprensa provocativa que persegue o Atlético, que não reconhece a estrutura de um clube de primeira, a gestão profissional, o empenho de dirigentes visionários que fizeram história no futebol brasileiro, a tradição rubro-negra, os inúmeros títulos que o Furacão tem em sua história, a paixão do torcedor que já mobilizou milhares nas ruas e lotou ônibus como exemplo em 1997 quando a CBF, sediada nos interesses cariocas obscuros deste país, ameaçou prejudicar intensamente a vida do Furacão, esta torcida que acompanha o Atlético aonde ele vai, seja em Curitiba, em qualquer estádio da nação, seja na primeira ou na segunda divisão, nunca deixará o Furacão na mão.
O jornalismo é para ser exercido com responsabilidade, pois quando se transmite uma informação é preciso reconhecer que outras pessoas irão receber, e quando um jornalista é identificado como um suposto PICARETA por uma torcida atuante como a torcida Atleticana, o suposto picareta poderia se olhar no espelho antes de manifestar uma nota no Jornal Gazeta do Povo, aliás, este jornal faz tempo que anda sem credibilidade, a mídia monopolista vampira não agrega valor, corrompe consciências, é necessária uma grande campanha por parte dos cidadãos esclarecidos em favor de um forte boicote nestas instituições midiáticas que atuam contra o povo, o torcedor só quer respeito. E o leitor quer mudanças nestas editorias falidas.
O Atlético na condição de clube de futebol está cumprindo seu papel, que é oferecer seu espaço e sua estrutura qualificando-a para dar condições para que a capital paranaense possa ser contemplada neste evento Mundial. Curitiba será beneficiada, diversas capitais ficaram de fora por não ter estádio no nível da Arena da Baixada, graças a estrutura rubro-negra, o povo curitibano verá a Copa ao vivo, e quando falamos do povo curitibano, falamos não apenas da torcida atleticana, por isso conclamamos a uma união de todos torcedores.
E o torcedor atleticano sabe, Kleberson foi motivo de orgulho na Copa de 2002 quando o Brasil foi Penta Campeão do Mundo. Com certeza participar da Copa do Mundo com o estádio mais moderno será uma grande realização para nossa apaixonada torcida e pelo visto, tem muito verde incomodado com o sucesso Atleticano. O pior é identificar verdes declarados na medíocre imprensa Curitibana.
Airton Cordeiro: “Intestino é a rede midiática que você pertence, e dentro dela está você”, saudações Rubro-Negras! A COPA DE 2014 será em Curitiba, no estádio Joaquim Américo, na Arena da Baixada, no Caldeirão rubro-negro... Como você quiser chamar... no estádio mais moderno do Brasil! Eliminem a inveja dentro de vocês e respeitem os fatos: a Copa é um investimento que trará ganho para o país. Curitiba não pode ficar fora.

Atleticano Forte
Fonte: www.redefuracao.net
#calabocaAirtonCordeiro

sábado, 3 de novembro de 2012

Coronel ex-comandante do DOI no caso Rio Centro é executado em Porto Alegre



Júlio Miguel Molinas Dias, 78 anos, foi encontrado ao lado do carro em frente à própria residência
A morte, na noite desta quinta-feira, de um coronel do Exército reformado é investigada pela Polícia Civil. Júlio Miguel Molinas Dias, 78 anos, foi morto a tiros quando chegava em casa na Rua Professor Ulisses Cabral, no bairro Chácara das Pedras, em Porto Alegre.
O crime aconteceu por volta das 21h. Moradores relataram ter ouvido uma série de tiros. Ao saírem à rua, viram o corpo de Dias ao lado do carro, um C4 cor prata, em frente à residência em que ele morava. Segundo vizinhos, o militar era viúvo há pouco tempo.
— Estava na sala de casa e, de repente, ouvi uns estampidos de bala na rua. Devem ter sido entre 10 e 15 tiros — relata o vizinho Barton Habbab, 47 anos.
A Polícia Civil trabalha com duas linhas de investigação: tentativa de latrocínio (roubo com morte), embora nada tenha sido levado, e execução.
— Não descartamos a execução porque não foi levada a carteira, que tinha cerca de R$ 200, nem o carro — afirma o delegado Paulo Xavier, da equipe de volantes da Polícia Civil.
Segundo a Polícia Civil, o coronel reformado teria reagido após um carro vermelho ter cortado a frente do veículo em que ele estava. Não foi encontrada arma com a vítima, que foi alvejada com pelo menos seis tiros. No local do crime, foram encontradas cápsulas de três armas diferentes.
Molinas Dias era comandante do Destacamento de Operações Internas do Exército no Rio (DOI) durante o Caso Riocentro. Em 30 de abril de 1981, um sargento morreu quando carregava uma bomba que explodiu perto do local onde se realizaria uma concentração de artistas e políticos em protesto contra o regime militar.

Fonte Zero Hora