sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

2014: QUAIS OS PRÓXIMOS PASSOS?



Além de uma ou outra manifestação daquele escritório de um homem só, em Londres, que diz representar a Organização de Libertação da Síria, reina absoluta calma no noticiário internacional. Até parece que os guerreiros tiraram férias. Ou estaríamos naquela calmaria que costuma preceder a tormenta. É difícil acreditar que os generais de Obama tenham requerido aposentadoria e vestido o proverbial pijama (– não foi esse aí que recebeu um Prêmio Nobel da Paz?). Ainda mais difícil é acreditar que esteja tudo calmo e pacífico, quando se lê a notícia de que no dia 6 de dezembro p.p. o ministério da saúde e assistência social americano encomendou 14 milhões de comprimidos de iodo. Estes costumam ser usados como proteção contra radioatividade e podem ser necessários quando esta é liberada em acidentes em usinas termonucleares ou... é isso mesmo, em guerra atômica.

Não vamos esquecer que as guerras e guerrinhas têm tido método. Observando bem vamos reconhecer duas regras:

1. As vítimas têm sido nações que mantiveram suas dívidas públicas sob controle, chegando a um máximo de 40% do PIB.

2. O objetivo de cercar RÚSSIA e CHINA fica mais evidente a cada dia.

Se a Alemanha até hoje está ocupada por 50 mil soldados americanos (já se fala em 70 mil), ao mesmo tempo estão no Japão outros 45 mil. Até drones estão sendo baseados neste país. Bombardeiros B52 de longo alcance constantemente invadem o espaço aéreo chinês e, complementando a provocação, a marinha dos EUA anda nos mares da China para cima e para baixo sem pedir licença para ninguém. Que tal se os chineses fizessem o mesmo na América do Norte?

E mais, na Coreia do Sul têm mais 35 mil Gis. Também no Mar Báltico eles estão com sua Força Aérea patrulhando permanentemente o espaço aéreo sobre os três países: Letônia, Estônia e Lituânia. Na Polônia e na Rep. Tcheca instalaram forte esquema antimísseis. O deputado britânico George Galloway, que costuma dizer o que pensa, declarou em entrevista na Voice of Russia que o encurralamento de Rússia e China com armas atômicas é um “maquinação imperial” e “enorme perigo para a paz e segurança mundial”.

O conhecido comentarista político Noam Chomsky diz que teme dois acontecimentos para 2014: Uma catástrofe ambiental e uma guerra atômica. A primeira ainda estaria relacionada a Fukushima. Não se sabe o que seria mais dramático. Esperar por uma guerra atômica certamente ninguém espera, mas que o mundo está dançando na corda bamba ninguém duvida. Por ora se tenta desestabilizar as nações de dentro para fora. Isto pode acontecer apoiando um megausurpador como o Michail Chodorkowski, em cuja Open Russian Foundation participavam do Conselho um Henri Kissinger e um Lord Jacob Rothschild, ou dando mídia sem parar às Xoxótas Revoltadas (Pussy Riots) que se notabilizaram desrespeitando uma catedral ortodoxa. É um pouco difícil também acreditar que o GREENPEACE tenha ido ao Ártico para protestar contra agressão ao meio ambiente, quando existe tanta coisa para cuidar por aqui mesmo. Estranho...


Temos motivos bastantes para enfatizarmos a nós todos os nossos mais sinceros votos de FELIZ ANO NOVO!

Norberto Toedter em seu blog

Nenhum comentário:

Postar um comentário