segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Comunicado aos co-filiados do PSB, amigos e leitores,


Há alguns anos, sou filiado ao PSB, em que ingressei, tendo tido a honra de ter tido minha ficha assinada pelo competente e digno Carlos Siqueira.

Sem solidariedade social e sem aspiração de independência nacional, socialismo é apenas uma palavra falsa.

Assim, diante do fato de que o PSB adotou a candidatura da Sra. Marina Silva à presidência da República, declaro que não votarei na candidata do partido.

Não estamos, senão formalmente, em regime democrático, haja vista a urna eletrônica absolutamente inconfiável, e a influência nas eleições do poder econômico concentrado e da desinformação em massa, a cargo da grande mídia, a serviço dos interesses imperiais. Meu voto, pois, tem peso ínfimo.

Mas para mim é importante declará-lo.

No 2º Turno, entre Dilma e Marina, sua provável concorrente, já que Aécio é fraco eleitoralmente e deverá ser preterido pelos imperiais, GAFE, PIG etc., penso que o PSB deveria apoiar a atual presidente, mediante compromissos de eliminação das políticas de juros altos, subsídios às montadoras estrangeiras e a outros concentradores, abandonar o tripé do FMI, intensificar as relações com os BRICS e com o Mercosul.

Devo concitar outros membros do PSB a pedir às lideranças do partido não persistirem no grave erro de se terem associado a uma certa rede ou teia, comprometida com interesses contrários aos de nosso País.

Errou o falecido Eduardo Campos ao entrar nessa associação, como erraram os que o acompanharam nesse passo.

Pior ainda foi, após a morte dele, apoiar a candidatura da Sra. Marina, sob pressão dos elementos mais entreguistas da coligação, como os Srs. Roberto Freire, Jarbas Vasconcellos et alli.

Mas o importante e recomendável é reconhecer os erros e fazer o possível para desfazê-los e/ou reduzir-lhes as consequências.

A prioridade então é dissociar-se da Rede e de D. Marina, pois essa aliança significa o fim do PSB como partido e sua identificação como mais uma sigla de aluguel.

Muitos estão ironizando, ao dizerem em relação a D. Marina: “Basta de intermediários. Neca Setúbal para presidente”.

Esses estão alienados da dura realidade, que é pior, pois a oligarquia dos grandes bancos locais é apenas subalterna dos interesses imperiais, tal como seus economistas, da mesma laia que os dos tucanos e ligados ao mega-entreguista FHC. Os críticos, se mais inteirados dos fatos e mais corajosos, deveriam dizer:

“Basta de intermediários. George Soros (ou o príncipe Charles, da família real britânica, Reino Unido) para Pró-Cônsul do império.”

Saudações a todos e todas,

Adriano Benayon

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Requião descarta Marina e garante apoio a Dilma


Hoje, na Gazeta do Povo, Roberto Requião (PMDB) deixou claro que descartar apoiar Marina Silva (PSB) e garantiu que vai de Dilma Rousseff (PT) nas eleições presidenciais. "Acho que a Dilma, na sua política trabalhista, na sua política externa, com sua experiência administrativa, na comparação continua sendo a melhor opção de voto. Não posso votar contra o país. Tenho que votar não no que eu gostaria, no ideal que eu teria de um presidente soberano. Mas tenho que votar no que é melhor para o país neste momento", disse Requião ao repórter Euclides Lucas Garcia.

"A Marina é minha amiga pessoal, minha irmãzinha, uma pessoa séria e competente. Converso com ela em qualquer circunstância sempre. Jamais falaria mal dela. Mas eu tenho que pensar na República, na continuidade, na manutenção do salário dos trabalhadores. A Marina é uma figura maravilhosa, mas eu voto na Dilma nas atuais circunstâncias", completou o senador.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Presidenta Dilma faz jogo de cena no genocídio em Gaza


A declaração infeliz do porta-voz da chancelaria israelense, Yigal Palmor, chamando o Brasil de “anão diplomático” e considerando o país um “parceiro diplomático irrelevante” motivou o presidente de Israel, Reuven Rivlin, a telefonar ontem para a presidenta Dilma pedindo desculpas pelo ocorrido.
Israel está isolado diplomaticamente em todo o mundo diante do banho de sangue que promove na Faixa de Gaza. Apenas os EUA e alguns de seus cúmplices europeus impedem que o Conselho de Segurança das Nações Unidas intervenham em mais este genocídio praticado por israelenses - que se repetem a cada dois anos.
Dilma chamou de volta ao Brasil, para consultar, o embaixador em Tel Aviv, Henrique Sardinha Filho. É pouco. É muito pouco para um governo membro do BRICs que se diz progressista de esquerda. Deveria fazer como algumas igrejas evangélicas nos EUA que estão vendendo ações de empresas israelenses para praticar boicote ao país. Poderia ter seguido os exemplos da Venezuela e Equador, que expulsaram embaixadores israelenses, ou como Evo Moralez, que rompeu relações com Israel e passou a exigir visto para os cidadãos israelenses entrarem na Bolívia. Ações como estas revelam verdadeira solidariedade internacional.
No telefonema ontem do presidente israelense acusado de corrupção na principal Corte do país, Dilma aceitou o pedido de desculpas do genocida israelense e fez alguns afagos, como o de mandar o embaixador brasileiro retornar a Tel Aviv. Vergonha!
Israel continua o genocídio palestino em Gaza. Toda sua política, desde a criação do Estado de Israel (que os árabes chamam de Nakba, isto é, desgraça) dezenas de milhares de palestinos foram assassinados, torturados, e quase dois milhões emigraram. Nas prisões israelenses hoje estão mais de 2.000 palestinos, incluindo centenas de crianças, pelo único crime de atirar pedras em soldados que destroem casas, edifícios, vilas e aldeias palestinas.
Alguns diplomatas brasileiros se vangloriam por Osvaldo Aranha ter dado o voto de minerva para a criação do Estado de Israel. Deveriam ter vergonha na cara. A criação do Estado de Israel foi uma farsa porque negaram a existência da Palestina, um país milenar cujo povo está sendo massacrado a cada 2 anos desde a sua “criação”, e cujo inimigo, Israel, deseja exterminar o povo palestino para roubar todas as suas terras.
A comportamento da presidenta Dilma não é apenas dúbio em relação à Causa Palestina: é vergonhoso.
O governador Tarso Genro (PT) do Rio Grande do Sul também pratica política dúbia e oportunista em relação à Palestina: doou arroz para os palestinos meses atrás, e permitiu a instalação de uma indústria de armas israelenses em solo gaúcho. Vergonha!

Abel Kaheler
Movimento Democracia Direta do Paraná - Brasil

"Senador do Pedágio” não empolga Paraná


A pesquisa Veritá divulgada hoje mostrou um sonoro não da população paranaense ao candidato de Roberto Requião (PMDB) ao Senado, o empresário Marcelo Almeida (PMDB). Dono de duas concessionárias de pedágio, Almeida tem 1,9% das intenções de voto, atrás até do Professor Piva (Psol), com 2%. Marcelo Almeida é o candidato mais rico do Brasil, com R$ 740 milhões declarados ao TRE. Apesar de fazer dupla com Requião, a empresa dele, a CR Almeida, já doou R$ 950 mil para a campanha de Gleisi Hoffmann (PT).

O senador Alvaro Dias (PSDB), da chapa do governador Beto Richa (PSDB), lidera a corrida ao Senado, com 57,2% dos votos. Em segundo lugar está Ricardo Gomyde (PCdoB), parceiro de Gleisi, com 3,3%. Somados, os candidatos Adilson Silva (PRTB), Luiz Bárbara (PTC) e Evandro Castagna (PSTU) não têm 1% dos votos na sondagem. "Não sabe ou não respondeu" somam 17,2%. Brancos e nulos somam 16,7%. De acordo com o registro PR-00007/2014, na Justiça Eleitoral, o Instituto Veritá entrevistou 2.302 eleitores entre os dias 5 e 9 de agosto ao custo de R$ 93 mil (recursos próprios). A margem de erro é de 2,05% para mais ou para menos.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Batalhão da PM presta homenagem aos militares da Copa 2014


Uma solenidade realizada nesta terça-feira (05), na sede do 12º Batalhão da Polícia Militar do Paraná (PMPR), apresentou o relatório geral da Operação PM Copa 2014.

O documento, composto por cinco livros encadernados, destacou o trabalho do Batalhão Coronel João Gualberto na operação do estádio Joaquim Américo, a Arena da Baixada, nos setores de bloqueios, escoltas e rotas oficiais de deslocamentos das seleções e autoridades.
O subcomandante da Polícia Militar do Paraná, coronel Péricles de Mattos, destacou o trabalho do 12º BPM. “O trabalho da Segurança Pública é garantir a tranquilidade da população local e dos turistas, o que foi feito de forma exemplar”, disse o coronel.


Falando para a tropa, o Tenente-coronel Guilherme Teider Rocha destacou o trabalho realizado. “Estou orgulhoso desta equipe, pois foi um trabalho permanente de preparação, treinamento e execução, sempre com o foco na proteção ao cidadão”, afirmou Teider.
Conforme o coordenador-geral da Copa do Mundo no Paraná, Mario Celso Cunha, “um dos pontos altos do resultado final da Copa foi o perfeito trabalho realizado pela Segurança Pública, em especial dos militares do 12º BPM que ficaram com grande parte da responsabilidade de garantir a segurança nos setores envolvendo a Copa 2014”.
Também estiveram presentes na solenidade o delegado da Polícia Federal e presidente da Comissão Estadual de Segurança Pública e Defesa Civil para Grandes Eventos (Coesge), Flúvio Cardinelle Garcia; o presidente do Conseg Batel, Acef Said; o representante do Coritiba Foot Ball Club, Odivonsir Frega; o Coronel Milton Fadel Júnior; o Major Ibiraci Aparecido de Pontes; o Major Alex Breunig; o deputado e presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembléia Legislativa, Mauro Moraes; além do vereador Felipe Braga Côrtes, representando a Câmara Municipal de Curitiba.