sábado, 2 de novembro de 2013

CHURCHILL COMO POUCOS O CONHECEM



Já me referi aqui a Winston Churchill, uma das figuras que mais se notabilizaram no século passado, sempre envolvido na política britânica por ocasião das duas Grandes Guerras Mundiais. Os meios de comunicação fizeram dele o grande estadista vencedor da Segunda Guerra, festejado e admirado.

Muita gente, entretanto, não conhece Churchill como RACISTA, EUGENISTA, GENOCIDA e até ANTISEMITA como se revelou nas seguintes citações:

“Não entendo a susceptibilidade em relação ao uso de gás. Eu sou fortemente a favor do uso de gás venenoso contra povos incivilizados.” (1919 – Churchill como Secretário de Estado para o Ar)

“É alarmante e causa náuseas ver Mr.Gandhi, um sedicioso advogado 'meia-boca', posando agora como um tipo de faquir bem conhecido no Oriente Médio, subindo seminu os degraus do palácio vice-real, enquanto ainda continua a organizar e conduzir campanha de desobediência civil, parlamentando em termos iguais com o representante do Rei do Império.” (1931 – Churchill comentando o encontro de Gandhi com o Vice-Rei da Índia)

“Eu não concordo (...)que um grande mal tenha sido feito aos índios vermelhos da América, ou ao povo negro da Austrália (…) pelo fato de uma raça mais forte, uma raça mais graduada(...) tenha vindo para tomar o seu lugar.” (1937 – Churchill à Comissão Real da Palestina)

“O rápido, constante e absurdo crescimento dos fracos mentais e das classes insanas, aliado, como está, a uma permanente restrição entre as classes parcimoniosas, fortes e superiores, constitui um perigo nacional e racial impossível de exagerar. Eu sinto que a fonte que alimenta esse rio de loucura deve ser cortada e selada antes que mais um ano tenha passado.” (1910 – Churchill ao 1ºministro Asquith)

“A gente pode não gostar do sistema de Hitler, nem admirar o seu êxito patriótico. Se o nosso país for derrotado, eu espero que possamos achar um campeão igualmente admirável capaz de restaurar nossa coragem e de nos conduzir de volta ao nosso lugar no seio das nações.” (1937 – Churchill em Grandes Contemporâneos)

“Vocês são gente sem sentimento que quer arruinar a Europa – vocês não se importam com o futuro da Europa, vocês só têm seus próprios e miseráveis interesses em mente.” (Outubro de 1944 – Churchill aos integrantes do governo polonês em exílio)

E finalizando traduzo um trecho de um artigo que Churchill publicou no ILLUSTRATED SUNDAY HERALD e 8/2/1920. Neste artigo Churchill analisa os Judeus, chegando à conclusão de que existem os bons e os maus. Entre os primeiros ele relaciona aqueles que se integraram nos países em que passaram a viver. Dos segundos fazem parte os que ele até mesmo classifica de terroristas, dizendo do papel fundamental que representaram na criação do bolchevismo. Fariam parte de uma confederação sinistra e Churchill continua textualmente:

“(...)Este movimento entre os judeus não é novo. Desde os dias de Spartacus-Weishaupt aos de Karl Marx, e até Trotsky (Rússia), Bela Kun (Hungria), Rosa Luxemburg (Alemanha) e Emma Goldman (Estados Unidos), essa conspiração mundial para a derrubada da civilização e para a reconstituição da sociedade sobre a base de um desenvolvimento contido, é de uma malevolência invejosa e sem igual, tem vindo a crescer de forma constante. Foi a mola principal de todo movimento subversivo durante o século XIX; e agora, finalmente, este bando de personalidades extraordinárias do submundo das grandes cidades da Europa e dos Estados Unidos acaba de pegar o povo russo pelos cabelos e tornou-se praticamente dono incontestável deste enorme império. (…) Com a notável exceção de Lenin, a maioria das principais figuras são judeus. Além disso, a principal inspiração e força motriz vem dos líderes judeus. Assim Tchitcherin, um russo puro, é suplantado por Litvinoff, seu subordinado nominal, e a influência de russos como Bukharin ou Lunacharski não pode ser comparada ao poder de Trotsky ou de Zinovieff, o ditador da Cidade Vermelha (Petrogrado) ou de Krassin ou Radek – todos judeus. Nas instituições soviéticas a predominância dos judeus é ainda mais surpreendente. A importante, senão mesmo a principal, parte do sistema de terrorismo aplicada pela Comissão Extraordinária de Combate à Contra-Revolução, foi executada pelos judeus. Em alguns casos por judaizados notáveis. O mesmo destaque perverso foi obtido pelos judeus no breve período de terror durante o qual Bela Kun governou a Hungria. O mesmo fenômeno ocorreu na Alemanha (especialmente Baviera), tanto que essa loucura permitiu saquear a prostração em que se encontrava o povo alemâo.(...)”

Aí deu para ver um Churchill diferente da figura que costuma nos ser apresentada. As primeiras citações eu as obtive do The Guardian (Londres) do dia 28 de novembro de 2002. Sobre o que Churchill falou dos judeus fui alertado por um video do Dr.William Pierce, que acaba de ser censurado e removido pelo youtube. Mas com um pouco de pesquisa a gente chega no artigo mencionado.

www.toedter.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário