sexta-feira, 24 de maio de 2013

Celebração de Corpus Christi mobiliza comunidade educativa




Há cerca de dois meses voluntários se organizam para confeccionar parte do tapete que vai enfeitar a Avenida Cândido de Abreu no próximo dia 30 de maio

CDs, tampinhas de garrafa pet e papel chumbo. Estes são os materiais recicláveis básicos utilizados este ano pela comunidade educativa do Colégio Sagrado Coração de Jesus, em Curitiba/PR, para ornamentar o tapete de Corpus Christi 2013.
Com a colaboração de alunos e funcionários voluntários, a Pastoral Escolar se organiza há cerca de dois meses para arrecadar e preparar o material, fazer os desenhos e confeccionar o tapete. São cerca de 200 alunos envolvidos no processo, que trabalharam no contra turno de aula, além de alguns funcionários, também voluntários. “É uma experiência fraterna acompanhar este grupo e fazê-los sentir que fazem parte desta celebração que começa bem antes do dia de Corpus Christi,” comenta a irmã Tatieli Veríssimo, responsável pela Pastoral Escolar. De acordo com ela, “este envolvimento também os ajuda a compreender melhor o sentido da festividade que é de expressar o verdadeiro amor ao Corpo de Cristo”.
No tapete confeccionado pelo Colégio Sagrado Coração de Jesus foram utilizados os mesmos materiais das outras três Unidades Educacionais do SAGRADO – Rede de Educação, em Curitiba, que no dia irão somar 60 metros. Todos os tapetes serão levados prontos para a Avenida Candido de Abreu (em frente ao Shopping Muller), sendo que no local serão feitos apenas os retoques necessários.
A celebração de Corpus Christi organizada pela Arquidiocese de Curitiba vai acontecer na quinta-feira (30), a partir das 14h30, em frente à Catedral Basílica. Dom Moacyr José Vitti, arcebispo metropolitano, preside a Santa Missa, às 15h. Em seguida os fiéis seguem até o Palácio Iguaçu, no Centro Cívico, em procissão com o Santíssimo Sacramento sobre os 1.711 metros de tapetes confeccionados por famílias, representantes de paróquias, pastorais, movimentos, congregações e escolas. São esperadas cerca de 100 mil pessoas para participar do evento.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Bolivianos fazem chantagem para libertar corinthianos




O advogado dos 12 torcedores corinthianos laçados pela polícia boliviana para servirem como bodes expiatórios da morte do jovem Kevin foi sondado pelo tio do pranteado defunto, o também advogado Jorge Ustarez Beltrán: a família se dispunha a reconhecer a inocência dos gaviões engaiolados, ajudando a defesa a desmontar a farsa, mediante o pagamento de 220 mil dólares (cerca de R$ 400 mil).

Como o Corinthians se recusou a ser extorquido e a Gaviões da Fiel não tem como arcar com um resgate tão vultoso, o dr. Sérgio de Moura Ribeiro Marques foi para o tudo ou nada, tornando pública a proposta indecente. Pois, espertamente, gravara as conversas sem conhecimento do interlocutor.

A história é contada na matéria de capa da revista IstoÉ desta semana, "As provas da chantagem boliviana", e pode ser lida aqui: http://www.istoe.com.br/reportagens/299499_A+FARSA+BOLIVIANA.

A cantada do titio ganancioso está neste trecho das gravações:

"...o que nós propomos a vocês é acabar de vez com esse processo. Uma vez retirada a denúncia, não é possível, portanto, um processo penal. Os familiares buscam uma reparação material, civil... entendo que essa responsabilidade poderia ser assumida pelo Corinthians... estou consciente de que os 12 não são culpados".

O malandro otário passou recibo da tentativa de extorsão, ao escrever de próprio punho a quantia ambicionada num papelucho que a IstoÉ reproduziu.

A revista também detalha o acordo costurado pelos dois advogados, mas frustrado por falta de quem se dispusesse a morrer numa grana preta:

"...o tio de Kevin, segundo Marques, produziria uma petição na qual declararia, entre outros pontos, a inocência dos 12 brasileiros presos pela morte de Kevin.

E ? mais importante ? revelaria que o adolescente boliviano encontrava-se de costas para o campo quando foi alvejado pelo sinalizador. Além de Beltrán, Beymar Jonathan Trujillo Beltrán, primo de Kevin e única testemunha ouvida (em uma declaração de apenas cinco linhas) sobre a morte dele, assinaria o documento que seria incorporado ao processo de investigação.

Por ser uma declaração contundente de uma nova testemunha intimamente ligada ao adolescente morto, seria aberta uma grande possibilidade de libertação para os brasileiros. Apesar de não ter se pronunciado legalmente ainda, o tio de Kevin estava no jogo Corinthians e San José..."

Para completar a comédia de erros, o advogado Marques denuncia a existência de "pressão política" por parte do governo brasileiro e do Corinthians para que o escritório do qual é sócio seja afastado do processo. O motivo: ?Querem que nós sejamos destituídos do caso e o governo colha o mérito da possível soltura dos torcedores?.

Finalmente, eis a irrefutável conclusão do autor da reportagem, Rodrigo Cardoso:

"...se não há como provar a culpa dos 12 torcedores do Corinthians, eles têm de deixar a prisão em Oruro. Passou da hora de o governo brasileiro arregaçar as mangas de verdade e, livre de interesses paralelos, priorizar uma solução rápida para a prisão arbitrária de 12 de seus cidadãos que, na Bolívia, vivem dias de criminosos sem sequer terem sido acusados legalmente".

É a mesma posição que sustento há mais de dois meses. No artigo "Vergonha: Bolívia faz 12 brasileiros de bodes expiatórios!", de 11/03/2013, já escrevi:

"As autoridades de cá estão agindo com tibieza vergonhosa, ao não defenderem da forma mais enérgica BRASILEIROS FLAGRANTEMENTE INJUSTIÇADOS NOUTRO PAÍS.

Já passou da hora de mostrarem algum serviço, pois suas frouxas gestões não tiveram resultado prático nenhum e vêm sendo olimpicamente ignoradas pelos bolivianos".

Voltei ao assunto em "Os 12 torcedores sequestrados na Bolívia e a tibieza brasileira", do último dia 8, quando um grupo de deputados se reuniu em Brasília com representantes de três ministérios e da OAB para discutirem possíveis medidas a serem tomadas:

"Vamos ver se, a partir de hoje, nossas autoridades deixam de agir com a TIBIEZA VERGONHOSA que vem caracterizando sua atuação no episódio.

...Tenho certeza de que, se os injustiçados pertencessem à classe média ou à elite, as gestões brasileiras teriam sido incisivas e imediatas.

A Justiça boliviana está agindo de forma tão aberrante que já se justifica uma queixa à OEA. É o caminho inescapável para o Brasil, caso o sequestro não cesse..."

Depois da revelação da IstoÉ, o nosso governo tem a obrigação moral de, finalmente, se fazer valer.

Jorge Lugaretti

Governador em exercício reforça avanços econômicos e sociais com a Copa 2014




O governador em exercício Flávio Arns disse nesta terça-feira (21/05) que o conjunto de ações que estão sendo desenvolvidas para a Copa do Mundo 2014 no Paraná resultará em avanços econômicos e sociais. Arns e a secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, participaram da reunião com os integrantes das nove câmaras temáticas, coordenadas pela Secretaria Especial para Assuntos da Copa do Mundo da Fifa 2014.

“Há esforço e articulação de trabalho entre diversos setores da sociedade e de governos. A Copa do Mundo no Paraná traz investimentos e oportunidades para os paranaenses”, afirmou Flávio Arns. O Mundial vai abrir oportunidade no mercado de trabalho que deve chegar a 700 mil novos empregos, sendo 300 mil diretos e 400 mil indiretos no país.

A secretária Fernanda Richa acrescentou que a rede de proteção e a estrutura de assistência social do Estado realizam projetos para garantir a integridade dos direitos de crianças e adolescentes, como a campanha contra violência e abuso Viva a Infância. “Essas ações serão reforçadas até a Copa, quando o Paraná receberá um grande número de turistas”, afirmou Fernanda.

No encontro realizado no Palácio Iguaçu, em Curitiba, o secretário Especial para Assuntos da Copa do Mundo da Fifa, Mário Celso Cunha, apresentou um relatório com o andamento das ações desenvolvidas no Estado em conjunto com os governos federal e estadual, prefeituras, Forças Armadas, corporações de segurança, e entidades.

A organização da estrutura turística (rede hoteleira, atendimento ao turista, restaurantes, serviços, comércio) e a integração de todas as áreas da segurança pública (polícias Civil, Militar, Federal, Rodoviária, Científica, Guarda Municipal, Corpo de Bombeiros) foram os pontos principais apresentados.

No Paraná são nove câmaras temáticas: Transparência; Segurança; Educação e Cultura; Estádios; Saúde; Turismo; Infraestrutura; Comercial e Tecnologia; Meio Ambiente e Sustentabilidade, que têm por finalidade articular e avaliar ações e projetos desenvolvidos por diferentes organizações em prol da preparação da Copa 2014 no Paraná.

INVESTIMENTOS – Mário Celso disse que os trabalhos das câmaras temáticas estão pautados na transparência das ações, na integração dos 399 municípios paranaenses e no que ficará para a sociedade após a realização do evento. “Estamos constituindo um caderno de legados para mostrar o que conseguimos conquistar com a realização da Copa nas diversos setores”, disse.

Cerca de 3,2 mil militares, do Exército, Marinha e Aeronáutica, e outros 2 mil policias militares trabalharam em Curitiba, durante a competição. O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Roberson Luiz Bondaruk, disse que a corporação já organizou uma estrutura de comando, coordenação e controle, e que novos equipamentos, viaturas e contratação de novos policiais, realizado pelo governador Beto Richa, serão fundamentais para a eficiência do trabalho.

“Se a Copa do Mundo fosse hoje, a Polícia Militar estaria em condições de prover todas as necessidades de segurança pública, nas áreas onde acontecerão os jogos, pontos turísticos, eixos de deslocamento e centros comerciais”, destacou Bondaruk. As ações serão desenvolvidas em conjunto com as Forças Armadas, as polícias Federal, Militar e Civil, Corpo de Bombeiros e Guardas Municipais.

PARANÁ - Curitiba é uma das 12 cidades-sede do mundial, onde serão realizadas quatro partidas das 64 do campeonato. O estádio Arena da Baixada está em reforma e receberá quatro jogos, com capacidade de 43 mil lugares. Serão 18 centros de treinamento. O Estado conta com 60 mil leitos, sendo 18,5 mil em Curitiba.

No Paraná, estão inscritos 4.935 mil voluntários que estarão nas principais cidades paranaenses no atendimento nos 31 destinos indutores do turismo. Já passaram por cursos de qualificação 30 mil trabalhadores. A parceria na capacitação envolve o ministério do Turismo, com Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), Fecomércio (Senac), Sebrae, Abih, Facop, Abrasel, Senasp, Sindehotéis, Senai.

Estão em andamento na capital e região metropolitana obras de infraestrutura urbana, em parceria com recursos do governo federal (PAC da Copa). O Corredor Aeroporto/Rodoferroviária, viaduto estaiado na Avenida das Torres, requalificação da Avenida Marechal Floriano Peixoto – ligação da via até o município de São José dos Pinhais; reforma e ampliação do terminal do Santa Cândida, extensão da Linha Verde Sul, reforma e ampliação da Rodoferroviária, radiais Avenida da Integração e Rua da Pedreira; Sistema Integrado de Monitoramento (SIM) – melhoria da locomoção de pessoas e do sistema de transporte público.

Também estão em obras o Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais e aeroportos regionais; no Porto de Paranaguá a ampliação do cais e a construção de terminal turístico. A Companhia Paranaense de Energia (Copel) investe R$ 486 milhões na melhoria dos sistemas de energia em todas as regiões do Paraná. O governo ainda adquiriu mil câmeras que serão instaladas nas principais rodovias e estradas paranaenses.

A Secretaria da Saúde colocou a disposição do evento sistemas de vigilância sanitária, controle epideomiológico - vacinas para a febra amarela tríplice viral e poliomielite - serviços de urgência (Samu), urgência hospitalar e centrais de emergência.

Estudos do Sebrae (FGV) apontam 448 atividades a serem exploradas por pequenas e médias empresas até a Copa, com a estimativa é um giro de 183 bilhões de dólares no Brasil.

Participaram da reunião, o secretário do Turismo, Jackson Pitombo; o presidente da Comec, Rui Hara; o presidente do Lactec, Omar Sabbag; o comandante geral da 5ª Região Militar e 5ª Divisão do Exército, general Luiz Felipe Kraemer Carbonell; coordenador geral da Copa pelo Exército Brasileiro, general Fernando Marques de Freitas; o coordenador dos Assuntos da Copa 2014 para a Região Sul das Forças Armadas, Major Brigadeiro do Ar, Roberto Carvalho; a prefeita em exercício de Curitiba, Mirian Gonçalves; o secretário municipal da Copa 2014, Reginaldo Cordeiro.

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Olhos no presente e no futuro




Beto Richa

As parcerias público-privadas (PPPs) são uma alternativa ágil, moderna e responsável para atender à demanda da sociedade por ações que contribuam para a melhoria da qualidade de vida das pessoas. Trata-se de um mecanismo utilizado por vários governos para a realização de obras e serviços.

Isto porque a realidade mostra que a capacidade dos Estados e Municípios de realizar grandes projetos foi exaurida porque os recursos ficam concentrados na União. Aos governos locais, cada vez mais esquálidos por conta do orçamento engessado, sobram obrigações. Isso só vai mudar com a redefinição do pacto federativo. Tarefa mais do que necessária, mas complexa e de longo prazo.

Cabe-nos, portanto, encontrar soluções para fazer frente à necessidade de modernização dos equipamentos públicos que servem aos cidadãos. Neste contexto, as PPPs se tornaram cada vez mais imprescindíveis, desde que formatadas de forma clara, transparente e socialmente eficiente.

Ao defender seu estabelecimento como instrumento para ampliar as ações da administração pública, oferecendo serviços de qualidade à população e promovendo o desenvolvimento socioeconômico de forma mais homogênea, não estamos inventando a roda. Há exemplos recentes em todo o País que demonstram a eficácia desta modalidade, principalmente para resolver gargalos de infraestrutura, um setor extremamente carente de investimentos no Brasil.

No Paraná, estamos analisando propostas de parcerias com a iniciativa privada para obras que vão atender não só as necessidades do estágio atual de nosso Estado - segundo maior produtor de grãos do País e vivendo um ciclo de industrialização nunca visto em sua história -, mas darão segurança para o desenvolvimento futuro de todas as regiões paranaenses.

Cito alguns exemplos de obras de duplicação de rodovias que já nos foram apresentados, e que são do interesse do governo e da sociedade, por empresas com manifestado interesse na execução: a duplicação da PR-323, na região Noroeste, com cerca de 250 quilômetros; da PR-445, entre Londrina e Mauá da Serra, numa extensão de 80 quilômetros, e da PR-092, entre Jaguariaíva e Santo Antônio da Platina. Também temos em estudo a implantação de um gasoduto de Paranaguá a Curitiba.

Além desses, há uma série de projetos de ampliação para nossos portos, a partir do plano de zoneamento e desenvolvimento feito em 2012 pela Secretaria de Infraestrutura e Logística para os próximos 25 anos. Regiões como o Embocui e Pontal do Paraná poderão, inclusive, receber novos portos e indústrias, por meio de PPPs.

Tudo o que está relatado está acontecendo porque retomamos o planejamento do Estado, que havia sido trocado nas últimas gestões por discursos raivosos e promessas nunca realizadas. Nem o presente e muito menos o futuro admite este comportamento.

Enquanto a iniciativa privada se propõe a melhorar a infraestrutura, o Estado pode se concentrar em ampliar as ações em segurança, educação e saúde, por exemplo. São setores que estamos administrando fundamentados em indicadores de qualidade e eficiência.

Com a soma de esforços, aumentamos a possibilidade de alcançar um desenvolvimento socioeconômico mais homogêneo para o nosso Estado. O que está evidente é que não podemos mais esperar para adequar o Paraná para as demandas de hoje e de amanhã.

Beto Richa é governador do Paraná

Pastor Marcos Pereira mandou matar quatro, aponta investigação




Investigação aponta que pastor mandou matar quatro. Vítimas seriam três homens que teriam filmado orgias e uma fiel abusada. Mulheres eram estupradas pelo pastor sem preservativo; o líder religioso tinha um médico para fazer abortos

Denunciado pelo Ministério Público por dois estupros e coação de testemunha, o líder da Assembleia de Deus dos Últimos Dias (ADUD), pastor Marcos Pereira da Silva, pode estar envolvido em mais três assassinatos — ele já é acusado de mandar matar Adelaide Nogueira dos Santos, uma de suas fiéis.

Investigações da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod) apontam que o religioso teria determinado a execução de três homens que filmaram orgias com a participação dele.

As denúncias foram feitas por testemunhas, em depoimentos, mas a polícia ainda levanta a identificação das vítimas. Se condenado, o religioso pode pegar até 24 anos de prisão.Preso na noite de terça-feira, Marcos Pereira teve dois pedidos de liberdade negados pela Justiça. Ele é investigado também por associação ao tráfico de drogas, maus tratos, lavagem de dinheiro, além de ser suspeito de ter cometido outros estupros.
Segundo o Ministério Público, o pastor violentava as mulheres até na igreja. O número de vítimas pode chegar a 20, e algumas seriam menores de idade quando teriam sido violentadas.
“Existe ainda a suspeita de que pessoas acolhidas por ele, após, supostamente, deixarem o tráfico de drogas, continuavam cometendo crimes a mando do pastor, como homicídios e roubos de cargas”, disse o delegado da Dcod, Márcio Mendonça.
Nas investigações aparecem 17 imóveis, um deles um apartamento na Avenida Atlântica, em Copacabana, avaliado em R$ 8 milhões, onde também o pastor abusaria das vítimas.
“Estamos levantando todos os imóveis da igreja e empresas em nomes de terceiros que tenham sido comprados por pessoas da confiança do Marcos, que eram pobres e ficaram ricas de repente”, disse Márcio Mendonça.

Segundo testemunhas, o pastor fazia orgias em motéis com garotos de programa, prostitutas e travestis. Em depoimento, uma testemunha contou que ele gostava de ver mulheres fazendo sexo grupal.

Mulher conta que foi refém por dois anos

Adelaide Nogueira dos Santos, morta em 2006, começou a frequentar a igreja em 2005, quando conheceu Marcelo Saint Clair, que seria traficante.
Ele é um dos suspeitos de matá-la. Testemunhas apontam o pastor como mandante. Sobrinho de Marcos Pereira, Geferson Rodrigues Gomes é um dos condenados em primeira instância.
Adelaide também teria sido obrigada a manter relações sexuais com o pastor. No entanto, passou a recusar suas investidas e a investigar seus crimes, o que teria motivado o assassinato.Segundo a testemunha, ela foi morta por Marcelo após Marcos dizer a ele que Adelaide o traía e que estava grávida de outro homem.
Uma das vítimas contou que, em 1990, foi morar no abrigo da igreja de Marcos. Meses depois, eles ficaram sozinhos na casa, e ele introduziu o dedo no ânus dela.
Segundo o depoimento, mesmo após se casar com um homem de confiança do pastor, ela conta que foi obrigada a manter relações sexuais com Marcos na igreja por dois anos.
Ex-mulher do pastor, Ana Madureira Silva disse que foi violentada por ele, mas depois negou as afirmações em declaração feita em cartório.

Nos planos, a explosão do Engenhão

Uma das supostas vítimas do pastor Marcos revelou que, em 2007, antes da inauguração do Engenhão, o religioso procurou um traficante da Favela do Barbante, em Campo Grande, conhecido como Veneno, para explodir o estádio.
Local que teria servido para orgias do pastor, apartamento em Copacabana foi doado por um empresário que o conheceu na década de 1970, quando Marcos era balconista.
Ele contou que reencontrou o pastor 20 anos depois, quando teria sido curado por ele de uma asma. Muito rico, ele tinha desavenças com a família e por isso fez a doação do apartamento.

Promotor diz que pastor teria médico para fazer abortos

De acordo com o promotor Rogério Lima, da 8ª Promotoria de Investigação, o pastor Marcos fazia sexo anal com as mulheres que se diziam virgens.
De acordo com testemunhas, vítimas que não eram mais virgens eram estupradas sem preservativo. “Uma relatou que ele tinha médico para fazer abortos”, disse Lima.
O pastor é investigado por mais quatro estupros. No entanto, o promotor explicou que outros depoimentos de vítimas não viraram denúncia por causa da alteração do Código Penal, em 2009.
Por não terem sido relatadas violências e agressões e pela antiguidade dos crimes, as informações serão utilizadas para corroborar os estupros.

Homem de Deus

De acordo com testemunhas, o pastor Marcos tinha relações sexuais com membros de sua igreja com a justificativa de que não queria se envolver com mulheres da rua, do mundo, porque se considerava um ‘Homem de Deus’.

Conserto espiritual


Uma das vítimas, que morava no abrigo do templo, ao decidir deixar o local, ouviu do pasto que ela teria que fazer “conserto espiritual”, com perguntas sobre antigos namorados e relações sexuais. Poucos meses depois, ele ficou sozinho com ela na casa e os abusos começaram.

Pragas do apocalipse

Uma das testemunhas contou que começou a ser abusada pelo pastor Marcos aos 16 anos, quando frequentava a assembleia dos Últimos Dias. Ainda segundo a menina, o religioso mandava que ela ficasse só de roupa íntima.

Para convencer a adolescente a transar com ele, Marcos dizia que era ‘anjo de Deus’ e que o Criador havia mandado ela fazer sexo com ele, caso contrário as pragas do Apocalipse cairiam sobre ela.

Deus fez uma revelação

Para assediar uma das fiéis que trabalhava na igreja, de 13 anos, Marcos disse a ela que Deus fez revelação para ele perguntando se a jovem já havia tido algum relacionamento antes.
A garota disse que ficou assustada porque havia se relacionado com homem antes, mas que ninguém sabia e contou a história para ele. Ela disse que o pastor sempre falava que sentia que a jovem era uma pessoa de Deus e que colocava as mãos nas pernas dela.
A menina contou que as relações começaram aos 14 anos e que o pastor pedia para outras pessoas saírem do local para dar revelação à escolhida.

Pragmatismo Político





quinta-feira, 9 de maio de 2013

“Tadeu Veneri é perdulário e esbanja recursos públicos”, diz Richa




A polêmica em torno do projeto para facilitar a vida da população centralizando órgãos de atendimento ao público em um único local está rendendo acusações. Ao responder à imprensa sobre o programa Tudo Aqui Paraná, o governador Beto Richa desabafou: “A polêmica é sempre causada pelo mesmo deputado: o deputado Tadeu Veneri, um ferrenho adversário do governo e das boas ações do Estado do Paraná. O Tudo Aqui existe em mais de uma duzia de estados. Em São Paulo, chama Poupatempo, iniciativa do ex-governador Mario Covas. É um dos projetos mais bem avaliado pela população. Algumas unidades tem 98% de aprovação popular. Eu pergunto: que medida governamental tem aprovação tão alta? Tem programas iguais em Minas Gerais, se chama UAI, e em vários estados do país”, disse Richa.
“No Paraná, certamente será um sucesso. E isso incomoda aos adversários. E olha, esse deputado falar em gastos de recursos públicos, os jornais e a imprensa já noticiaram que é o deputado mais perdulário que temos no Paraná, é o que mais esbanja recursos públicos na Assembleia Legislativa. Eu não reconheço nele, a autoridade moral para vim dizer que é um projeto que vai custar caro”, completou.

terça-feira, 7 de maio de 2013

Richa confirma novo subsídio e prefeitos anunciam redução da tarifa do ônibus




O governador Beto Richa sancionou nesta segunda-feira (06/05) o projeto de lei que isenta do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) o óleo diesel usado no transporte coletivo de 21 municípios paranaenses. Com a desoneração, o Estado transfere R$ 38 milhões para subsidiar a tarifa de ônibus urbanos das maiores cidades paranaenses e garante a manutenção da integração do transporte coletivo na Região Metropolitana de Curitiba.
A iniciativa atende municípios com mais de 140 mil habitantes, onde vivem aproximadamente 6 milhões de pessoas, e foi aprovada por unanimidade pela Assembleia Legislativa. “É a primeira vez na história que o Estado assegura subsídio para a passagem de ônibus urbanos. Era um compromisso do nosso plano de governo que está cumprido”, disse o governador Beto Richa.
A nova legislação determina que o benefício seja aplicado na planilha de custos dos sistemas de transporte coletivo, o que pode reduzir as tarifas em até R$ 0,06 (seis centavos). “Este esforço do governo estadual tem que ser repassado aos passageiros”, destacou Richa.

FEDERAL – O governador também cobrou a desoneração de impostos federais que incidem sobre as tarifas. Richa explicou que os tributos que incidem diretamente no valor do transporte público chegam a 25% do preço final da tarifa. “Aguardamos há anos uma posição do governo federal sobre a isenção de impostos federais, mas não cruzamos os braços”, destacou o governador. O ICMS era o único tributo estadual que incidia no valor da tarifa do transporte público.
No interior, as cidades beneficiadas são Londrina, Maringá, Foz do Iguaçu, Cascavel, Guarapuava, Ponta Grossa, além de Paranaguá no Litoral do Estado. Os prefeitos Alexandre Kireeff (Londrina) e Reni Pereira (Foz do Iguaçu) anunciaram a redução no preço da tarifa. “Em Londrina, podemos reduzir a passagem para R$ 2,40”, adiantou Kireeff.

INTEGRAÇÃO – Na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), são 13 municípios que compõem a Rede Integrada de Transporte (RIT): Curitiba, São José dos Pinhais, Fazenda Rio Grande, Bocaiuva do Sul, Rio Branco do Sul, Itaperuçu, Campo Largo, Campo Magro, Almirante Tamandaré, Colombo, Araucária, Contenda, Pinhais e Piraquara.
“Afastamos a possibilidade de desintegração do sistema de transporte entre a capital e os municípios. Estamos estudando outras possibilidades de apoio do Estado para sustentar o sistema integrado”, disse Richa. Em mais de 20 anos de existência da integração, é a primeira vez que o governo estadual apoia o sistema com a isenção do ICMS.

PROTEÇÃO – O secretário estadual do Desenvolvimento Urbano, Ratinho Junior, disse que a isenção do ICMS é uma demonstração do governo estadual em proteger o usuário do transporte público com uma tarifa mais acessível para toda população.
“Este ato do governador Beto Richa é muito importante para o Paraná e para a manutenção do sistema público de transporte”, afirmou o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet.
“O benefício que o governador concede através da redução do ICMS para o Paraná tem um alcance social importante porque atende a camada da população que mais necessita de ações do poder público. O governador demonstra respeito pela população do Paraná”, disse o líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Ademar Traiano.

Cidades atendidas pela isenção do ICMS: Almirante Tamandaré, Araucária, Bocaiúva do Sul, Campo Largo, Campo Magro, Cascavel, Colombo, Contenda, Curitiba, Fazenda Rio Grande, Foz do Iguaçu, Guarapuava, Itaperuçu, Londrina, Maringá, Paranaguá, Pinhais, Piraquara, Ponta Grossa, Rio Branco do Sul, São José dos Pinhais.